A saudade vem...




A saudade vem, bate na porta
E, como inquilino, de moradia faz meu coração.
A saudade vem, deita em minha cama
E, como felino, arranha o meu coração.

Eu, João.