Aquilo que se perdeu

Lá vem você com essa sua mania de crer que estou à disposição dos seus desejos, só por que suas mãos um dia foram donas dos arrepios do meu corpo. Você e essa sua ideia de achar que tem a certeza de tudo, e a ideia de pensar que o sorriso que dou é mais sincero com as palavras que me diz. Você se achando tão certo, me perdeu sendo errado, perdeu a sinceridade que saía da minha boca.
Não ache, meu ex-bem, que meu bem é uma garrafa de vinho barata que você insiste em tomar em momentos de solidão. Não tenha a conclusão que minha pele é o cobertor correto para todos os seus frios e todas as suas constantes tempestades. Minha pele é bem mais que isso, tão mais que já nem é tão sua assim quanto pensa. 
Não alimente nenhuma das certezas que tens na mente, nem mesmo pense que o barulho do soluço do seu choro me convence, nem que o gosto das suas lágrimas me saciam a sede... Não mais, e, por favor, nem tente mais, não há mais. Pois, cada gota sua é equivalente a um minuto do tempo que passei tentando lhe convencer que eu te amava mais que tudo, e, que eu estava ai, completamente preparada pra aceitar qualquer luta que ousasse aparecer em nossa vida.
Se mais um dia a saudade bater em sua porta, deixe que ela entre em sua casa, que faça de seu peito moradia. Abrace-a sentindo meu cheiro, beije-a sentindo meu gosto, aqueça seu corpo pensando em minha presença. Mas, saiba que ela pode ser permanente, dolorida e sufocante, e você não vai ter a chance de sair da dor, assim como um dia eu consegui sair.

Eu, João.