Voz



Consciência

A água leva o que sobrou das maquiagens. A tinta marca o que sobrou das lágrimas. Meu olhar me encontra tentando achar o que sobrou do meu orgulho. Meu orgulho grita dentro de mim tentando me acordar...
Já vim aqui várias vezes... E o que aprendi?
O peso dessas lágrimas é igual ao peso do sorriso de ontem quando ele me ligou, outra vez, querendo se distrair?
Me distrair!
Eu me distraí?
Mais uma vez, não sei...


Orgulho

O que eu te fiz? O que está fazendo de mim? Por que você não acorda, garota, e vai encontrar alguém que te faça feliz como você quer ser feliz? Alguém que te faça bem mais do que uma hora... Alguém sem ser ele... Alguém que fique... Alguém!
Eu já tô cansada de ouvir você me olhar e dizer que é a última vez. Que depois dessa noite você nunca mais vai encontrá-lo. Eu cansei de suas palavras sem compromisso! Acorda! Cansei de ouvir suas ligações de ódio que sempre são alimentadas com os encontros esbarrados que você teve por aí com ele. Os encontros seus com ele e elas. Eu já cansei, e você?
Eu sei de tudo que você passou, eu senti tudo que você passou, eu senti tudo que passei... EU SENTI!
Mas, isso tudo não adianta... Não adianta doer, não adianta machucar. Já que basta o telefone tocar, seja uma maldita mensagem ou uma ligação, que você corre feito um cachorrinho que corre pros braços do seu dono depois de passar o dia sem vê-lo...
Pobre cão você! Pobre cão você faz de mim! Pobre de amor próprio nos tornamos. E, olha, que o tanto que tentei abri teus olhos não cabe nos dedos das minhas mãos. As vezes que te ouvi dizer que ia ser feliz não cabem nas lágrimas que você derramou.
Só resta esperar, você quebrar a cara de vez, se encontrar sozinha e vir aqui me procurar. Vir me dizer que eu estava certa. Que deveria ter me escutado e blá, blá, blá. Tudo que já ouvi.
Se você não consegue me encontrar em si, quem é que vai? Ele? Hahaha! 
Você gosta de se fazer de tola. Acorda, menina, acorda! Que o mundo é grande e lindo demais pra você ficar na frente desse espelho tentando se entender. Tentando me encontrar.
Enfim... deita e dorme. E, vê se me acha de vez amanhã, porque se você me perder totalmente, não vai mais se encontrar em lugar algum.

Eu, João.